• NURI | Eletrofisiologia

Espasticidade e Toxina Botulinica



A espasticidade é uma alteração do tônus muscular, que é caracterizado por músculos tensos ou rígidos e uma incapacidade para controlar voluntariamente os músculos. Ela ocorre em doenças neurológicas que provocam lesão de células do sistema nervoso central, responsáveis pelo controle dos movimentos voluntários.

As doenças neurológicas mais comuns que levam a espasticidade são:

- paralisia cerebral - PC

- lesão medular - Trauma raquimedular - TRM

- Esclerose múltipla - EM

- Esclerose lateral amiotrófica - ELA

- Acidente vascular cerebral - AVC (derrame)

- Paraplegias espásticas hereditárias

- lesões cerebrais causadas por falta de oxigênio ou traumas físicos, hemorragias ou infecções (meningite).

Clinica e Sintomas

Os sintomas da espasticidade podem ser:

Contração permanente do músculo e tendão devido à rigidez persistente e espasmos

Rigidez muscular

Rigidez articular

Movimentos involuntários bruscos

Reflexos alterados

Postura incomum

Posicionamento anormal de dedos, pulsos, braços ou ombros.

Espasmos musculares

Cruzamento involuntário das pernas (isso é chamado de “tesoura”, porque as pernas cruzam)

Dificuldade em controlar os músculos usados para falar

Contração muscular que limita sua amplitude de movimento ou impede as articulações de estender

Dor nos músculos e articulações afetadas

Dor nas costas

Dificuldade em se mover e dificuldade na marcha

Deformidades ósseas e articulares.

Tratamento da espasticidade

Os medicamentos utilizados no tratamento da espasticidade são:

Toxina botulínica, injetada diretamente no músculo espástico

Baclofen (relaxante muscular)

Diazepam (sedativo)

Fenol (bloqueador de nervos)

Tizanidina (acalma espasmos e relaxa os músculos tensos).

Alguns desses medicamentos podem causar efeitos colaterais desagradáveis, tais como fadiga, confusão e náuseas. Não pare de tomar a sua medicação por conta própria, caso você sinta os efeitos colaterais.

Exercícios de alongamento para auxiliar no tratamento da espasticidade podem ser orientados por um médico ou fisioterapeuta. A fisioterapia é essencial para manejo e controle da espasticidade.

A cirurgia pode ser recomendada para a liberação do tendão ou a cortar o trajeto do nervo quando medicamentos e fisioterapia não melhorarem os sintomas.

Resumo: Uso de toxina botulínica em espasticidade

As vantagens são claras e reconhecidas na literatura médica

- Permite o relaxamento da musculatura e o paciente passa a realizar tarefas que antes não conseguia

- Tem efeito sustentável e reversível, ou seja, seu efeito dura de 3-4 meses, sendo necessária nova aplicação após este período.

- Não tem efeitos colaterais sensoriais ou cognitivos

- É menos invasiva que cirurgias

- É mais bem tolerada que relaxantes musculares que costumam sedar muito os pacientes

- Contribui para redução da dor que geralmente se associa a estas contraturas

- Efeito positivo sobre a qualidade de vida dos pacientes e seus familiares

Fonte:

Instituto Nacional de Doenças Neurológicas dos Estados Unidos. Departamento de saúde dos Estados Unidos.

Projeto Diretrizes da AMB e CFM - Associação Brasileira de Medicina Fisica e Reabilitação

Acta Fisiátrica - Sposito MMM

#espasticidade #botox #toxina

©   Eletrofisiologia Clinica. Todos os Direitos reservados.

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram